Piracicaba / SP - quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Focos do Meeting de Dermatologia em Denver (USA)

Academy emphasizes recommendations to educate about skin cancers in people of color Henry Lim, MD

Importante enfatizar o diagnóstico de câncer de pele para pessoas de cor,que são muitas vezes negligenciados. É necessário que as pessoas de cor tenham o hábito de aplicar fotoproteçao e tomar suplemento de vitamina D. Além da importância de ser feito um autoexame em toda superfície da pele, inclusive na palmas das mãos , nas solas dos pés e na cavidade oral onde são mais freqüentes.A dose recomendada de vitamina D são as seguintes - para criança até 12 meses de idade 400UI/dia para a idade de 1 ano até 70 anos de idade 600UI/dia e acima de 71 anos de idade 800UI ao dia. As recomendações dadas pela Academia Americana de Dermatologia são: usar roupas com proteção solar , chapéus , óculos , aplicar protetor solar com FPS> 30 em cada duas horas 15 a30 minutos antes de ir ao ar livre. O efeito da luz solar sobre a pele de cor em 70 minutos de exposição de UVA leva a pigmentação que desaparece ao longo de duas semanas, mas a pigmentação da luz visível é sustentada durante duas semanas após a exposição e também pode agravar a exposição ao sol anterior , ocasionando o melasma que é muito freqüente em indivíduos de pele escura. Dr. Jackson-Richards disse que o câncer de pele é menos prevalente em pessoas de cor, mas a morbidade e a mortalidade é maior por ser diagnosticado em estágio mais avançado por isso a importância da educação e da conscientização. Também em pessoas de cor, carcinomas espinocelular e melanoma são os mais comuns e geralmente ocorrem em áreas da pele não exposta ao sol. A radiação UV não é um importante fator etiológico em câncer de pele, exceto para os carcinomas basocelulares.

Presenters offer strategies to treat atypical melanocytic lesions

Caroline Kim, MD

Lesões MELANOCITICAS atípicas tem padrões heterogêneos e são difíceis de diferenciar de melanoma. Devemos monitorar os pacientes com lesões MELANOCITICAS no tronco, extremidades , couro cabeludo, face e lesões acral. Os pacientes com NEVOS atípicos tem maior risco de melanoma, mas os próprios NEVOS atípicos não estão em uma progressão para se tornar melanoma. O desafio é saber rastrear e identificar um melanoma nestes pacientes complexos Os NEVOS atípicos somente deve ser biopsiados se suspeitarmos do melanoma . Se apresentam estáveis não precisam ser biopsiados. Os NEVOS biopsiados devem sempre ser monitorados pois antes houve suspeita de melanoma. Na Dermatoscopia com glóbulos pigmentados periféricos e falta de vasos em lesões amelanoticas direciona - se para um diagnóstico de melanoma em uma população mais velha. Lesoes de couro cabeludo atípicos e lesões MELANOCITICAS faciais podem ser um desafio para diferenciar de melanoma como lentigos,queratose seborreica e carcinoma de células basais necessitando de fotos em séries e microscopia confocal bem como varia biópsias de lesões maiores para ajudar avaliar as lesões. Outro desafio é sobre as lesões acral, com dificuldade de autocontrole e biópsias sendo mais difícil de realizar nessa localização. Outro dilema é saber onde e como a biopsia de grandes lesões MELANOCITICAS atípicas devem ser feitas pois o local da biopsia pode não ser representações precisas de toda a lesão, e assim cada doente deve receber uma abordagem individualizada com base na circunstância e preferências individuais do paciente.

Understanding of stem cell development helps produce skin cancer therapies

Anthony Eugene Oro, MD, PhD

Ao mesmo tempo que as células tronco tem a capacidade de inibir câncer , elas pode multar e conduzir o desenvolvimento do câncer , isso cria obstáculos que com a pesquisa, tenta supera-los para terapias de células tronco se torne mais eficaz contra o câncer de pele. O que os pesquisadores querem entender como as células tronco operam normalmente e no câncer para desenvolver conhecimentos para nova terapia. Os pesquisadores passaram muito tempo para compreender como o corpo usa Hedgehog para estimular as células tronco do foliculo de cabelo a crescer e também descobriram que quando o corpo usa muito Hedgehog pode iniciar o carcinoma BASOCELULAR. Hedgehog é uma família de proteínas sinalizadoras que atuam como mediadores locais envolvidos no desenvolvimento de vertebrados e invertebrados. Tem sido feito testes clinicos para colocar em prática o primeiro inibidor da via Hedgehog para carcinomas BASOCELULAR, mas não funcionou. O corpo usa diferentes tipos de moléculas em uma célula tronco para fazer com que ela cresça, mas em seguida , se houver algum stress, o corpo pode mudar a célula tronco e evitar a inibição de um câncer. Portanto é a via de polaridade. A proteína quinase C (PKC) lambda, é o alvo para produtos adicionais que estão desenvolvendo para o tratamento de carcinoma BASOCELULAR resistente, que são pequenos peptideos para bloquear a via. Outra solução é remover as células tronco, purificá-las e deixar crescer para a regeneração do tecido. Uma descoberta recente é que um tecido maduro foi mudado para um estado de célula tronco, como para uma possível regeneração do tecido. Se vc não tem células tronco que você precisa, pode ser usado esse caminho ou purificar as células . Por enquanto o foco da pesquisa do câncer é muito sobre os papéis das vias Hedgehog e polaridade. Hedgehog está ligado a câncer no cérebro, carcinoma BASOCELULAR , meduloblastoma, câncer de pâncreas e câncer de pulmão.. Nos ensaios clínicos mostram que os inibidores da via irá funcionar bem em carcinomas BASOCELULAR local , invasivo e metastasicos . Também os 

inibidores pode reduzir o tumor e tornar depois um procedimento cirúrgico de Mohs menor. RESUMO --- pesquisadores estudam o funcionamento de células tronco tanto normal quanto em stress para desenvolver terapias para tratamento de câncer